Novembro 20, 2014

Passatempo Ultra Colour Bold Avon

A semana passada experimentei o novo Red Extreme um dos "Ultra Colour Bold", os novos batons da Avon. Foi a terceira vez, na vida, que usei um batom vermelho, (e a primeira sozinha, isto é sem ajuda de uma maquilhadora), e gostei imenso. Primeiro estranha-se, depois entranha-se. Usei-o na numa noite em que fui a um concerto (Lady Gaga night) e durou quase 5 horas impecável sem necessidade de retoque. O vermelho não é uma cor fácil de usar, mas e na minha opinião assim como é bom termos peças de roupa diferentes, as que não usamos todos os dias, também é bom termos um batom de uma cor que vamos usar num momento especial para nós. (A nível de auto-estima faz milagres!).
O Ultra Colour é um batom que conta com a tecnologia avançada true colour, ou seja tem 50% a mais de pigmentação oferecendo uma cobertura total e verdadeira aos lábios, apenas com uma passagem. Tem também vitamina E, para uma protecção antioxidante, óleo de jojoba e flor de açafrão para uma hidratação e suavidade extrema.
Esta nova colecção é composta por 15 tons diferentes, todos de longa duração, entre os quais então o "Red Extreme". Para que também o possam experimentar tenho 5 para oferecer.

Regras de participação:

1- Ser seguidora do blog através do "Google Rede Social" (Clicar onde diz "Aderir a este site", na barra lateral esquerda do blog);

2- Clicar no "gosto" da página de Facebook do Blog: www.babiaunica.com;

3- Partilhar o passatempo no mural de Facebook;

4- Preencher este formulário até ao próximo dia 28 de Novembro. (As 5 vencedoras serão encontrados através do sistema Random).

Nota: Podem participar as vezes que quiserem, desde que de todas as vezes preencham o formulário e partilhem o passatempo no v/mural de Facebook.  

Crónicas da Inês #7

Entra:
“Entra”, disse ela, com um sorriso que lhe colocou um brilho no seu olhar.
Ele trazia um ramo de crisântemos brancos delicadamente atados num fio de cetim cor-de-rosa. Na penumbra da sala iluminada pelas velas encarnadas com aroma a morango que ela mantinha acesas, ouviam-se os grandes êxitos de Barry White.
Abraçaram-se sem proferir nenhuma palavra. Um abraço quente e forte que durou o equivalente ao tempo a que não se viam e, quando depois os seus olhares se cruzaram, ela percebeu que ele estava ali. Debaixo daquela armadura fria que ele havia vestido estava o Francisco que ela conhecia. O Francisco que a queria e a desejava e ria com ela e crescia com ela e vivia nela. Sem medos e sem restrições.
Quebrando o silêncio dos olhares, ele disse:
- Beatriz, deixa-me ter-te, amar-te, cuidar-te. Deixa-me ser o homem que tu queres. Quero aprender tudo sobre ti. TUDO. O que gostas e o que não gostas. Tu fazes-me sentir o meu melhor, querer ser o meu melhor. Fica comigo.
Naquele momento o tempo abrandou e ela esqueceu todas as vezes que tinha chorado por ele, dias a fio, noites atrás de noites, sozinha, na sua cama, no sofá, no chão da sala, na banheira, ela e os seus pensamentos, ela e os seus desejos.
Ficaram ali, no sofá, a observarem-se, a adorarem-se. Não fizeram perguntas. Contaram histórias e riram-se a gargalhadas altas como era seu costume e dormiram juntos nessa noite. Dormiram enleados um no outro na cama que era dela e que agora não se encontrava mais vazia.

“Entra”, disse ela. E quando ele entrou as suas vidas recomeçaram.


Imagem © Direitos reservados

Novembro 19, 2014

Adidas Take #6-6


Fotos: Hugo Campos; Maquilhagem- Su Ferro.

Novembro 18, 2014

É nacional e é bom: "Manolas"

Conheci a Catarina há pouco tempo e com ela esta ideia 100% portuguesa, que me apaixonou desde o primeiro momento. Adoro peças originais, produtos personalizados, únicos e a "Manolas" personifica isso tudo. A Catarina (uma das Manolas) e a irmã iniciaram o projecto no Verão de 2013, numa altura em que ambas procuravam novos desafios profissionais. A hipótese de empreenderem começou a fazer sentido, pois era o momento de procurar e arriscar fazer algo diferente. A ideia surgiu baseada infância de ambas, pois quando eram miúdas faziam roupas para as bonecas com aparas de tecidos que o avô materno, vendedor de tecidos, lhes dava para brincarem e nos anos 80, altura em que ainda se ia à modista fazer roupa. A Mãe ia com elas à D. Rosa, deixando-as escolher o tecido e o modelo que queriam para as suas saias e vestidos e ambas adoravam a ideia, pois podiam ter peças diferentes das outras pessoas.

Como tal, a originalidade e também a portugalidade, esteve presente na altura em que nasce a "Manolas", um conjunto de peças personalizadas com produtos típicos do artesanato português para adultos e crianças. Começaram por criar peças personalizadas a partir de botas, luvas e chinelos em pele de borrego utilizadas no Inverno e a última criacção foram os chapéus de palha neste último Verão.
As peças podem ser vistas e encomendadas em Portugal e também na Alemanhã via facebook ou através do site da marca.

Novembro 17, 2014

Passatempo Vichy LiftActiv Supreme- O Resultado

As três meninas que vão experimentar o novo LiftActiv são:







 Parabéns às 3!

Princípio da Semana #15


me·re·ci·men·to- Qualidade de quem merece algo ou alguém; Qualidade digna de apreço; Mérito; Fazer por; Atrair sobre si; Tornar-se merecedor.

Sorte. É uma palavra que usamos quase por tudo e por nada. Faz parte da nossa linguagem diária. O que é, na verdade, ter sorte? A sorte não é nada mais nada menos que uma colheita, por isso o que a maior parte de nós chama de sorte eu chamo de merecimento. 

Constantemente, nos perguntamos o motivo de passarmos por determinadas situações. A verdade é que as coisas boas da vida, as melhores, são e devem ser conquistadas. Viver bem, então, não é uma questão de sorte, mas sim de merecimento. Acredito acima de tudo que nada acontece por acaso, e esta é "a" minha verdade, aquilo em que sempre acreditei. Aliada e esta que pode ser considerada por muitos uma frase feita, vem o merecimento. Temos o que merecemos, logo temos o que procuramos e obtemos com nossos pensamentos, palavras e acções.

Já me interroguei diversas vezes porque é que quando algo de muito bom, algo que esperamos durante dias, meses, anos, (uma vida?), nos acontece, porque é que é tão difícil aceitarmos que merecemos? Porque tendemos a chamar-lhe sorte? Porque é que é muito mais fácil acharmos que não o merecemos do que o contrário? Na minha opinião, esta linha de pensamento está directamente ligada ao nosso senso de merecimento, à nossa auto-estima e consciência do que somos e do que de facto valemos e fazemos por nós, pelos outros, pelo universo até. O senso de merecimento existe em todos nós, é certo, mas é algo de que nem sempre temos a devida consciência. Devemos contruí-lo, pois esta consciência dá-nos força interior logo é (mais) uma ferramenta que devemos, sem dúvida, usar a nosso favor.

Merecimento tem a ver com acção. Os merecedores são fazedores, são proactivos, não esperam circunstâncias favoráveis porque eles fazem a circunstância se tornar favorável. Todos nós podemos ser merecedores. Todos merecemos ter vidas plenas ou felizes, como quisermos chamar. A questão é que muito poucas pessoas acreditam merecer TUDO, tudo de bom que existe. Não temos, nem devemos, limitar o que é o nosso bem. O nosso maior desafio é sair do comodismo ou zona de conforto e não estar à espera que ninguém faça, seja quem ou que entidade for, o que nos compete a nós fazer para sermos então merecedores desse que é o nosso TUDO. Cabe a cada um de nós usar nossa capacidade física, mental e espiritual para evoluirmos nesse sentido. Cabe a nós e não à sorte, ganhar essa consciência e existência.

Deixo uma sugestão: Da próxima vez que algo que algo que queria muito aconteça em vez de ter o pensamento "que sorte!", substituir progressivamente por "eu mereço!", "eu mereço isto!!", "eu mereço mesmo isto". A sensação, o sentimento interior será garantidamente diferente.

"Ninguém avalia tão caro o nosso merecimento, como o nosso amor-próprio"- Marquês de Maricá

Imagem © Direitos reservados

Novembro 16, 2014

Happy Days/Happy Thoughts #9


Imagem © Direitos reservados
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Babi a Única © 2009-2014. All Rights Reserved | Powered by Blogger

Blog Design por Nitch Designs